Com o progresso das tecnologias no mundo e no Brasil, é ordinário a adaptação de novas ferramentas para auxiliar o dia a dia dos indivíduos. E não seria normal se estas apropriações não estivessem também na área jurídica do País.

Nos últimos anos, os Tribunais brasileiros implementaram mecanismos que socorrem e permitem os advogados praticarem o ajuizamento online. Além do mais, permite visualizar processos do próprio computador ou de qualquer lugar que esteja conectado com a internet.

Esta transformação no setor jurídico do País iniciou em 19 de dezembro de 2006, quando foi promulgada a Lei 11.419 (Lei do Processo Eletrônico). A qual alterou a Lei 5.869 Código de Processo Civil de 11 de janeiro de 1973. Essa ação trouxe modificações importantes que hoje o âmbito judicial brasileiro é considerado mais inovador. Graças a isso, os advogados não necessitam deslocar-se para fazer registros ou ver o andamento de processos. Porque através do sistema de peticionamento eletrônico isso é possível do próprio escritório.

Atualmente, existem mais de 40 sistemas de peticionamento eletrônico no País. No mínimo três em cada Estado. Dentre os mais usados está o E-saj, PJe, Eproc, entre outros. Contudo, segundo usuários estes sistemas apresentam falhas que comprometem a responsabilidade e agilidade do advogado. O objetivo deste artigo é trazer os prós e contras dos sistemas de peticionamento eletrônico do Brasil.

Mas você sabe o que é um processo eletrônico? Segundo a Associação dos Advogados de São Paulo , “Processo eletrônico é o processo no qual todas as peças processuais (petições, certidões, despachos, etc.) são virtuais, ou seja, foram digitalizadas em arquivos para visualização por meio eletrônico. Assim, não há utilização de papel. Neste caso, diz-se que os autos do processo estão digitalizados.” Ou seja, o objetivo é gerar segurança, transparência e mais tempo livre para os advogados.

Vantagens x desvantagens dos sistemas de peticionamento eletrônico

Para quem ainda não sabe, o uso da técnica digital é a demonstração, na forma digital, do processo convencional, que contém bases de dados capazes de armazenar todos os conteúdos dos procedimentos que serão efetuados.

Confira as vantagens obtidas com a informatização dos sistemas de peticionamento eletrônico:

vantagens obtidas com a informatização dos sistemas de peticionamento eletrônico

Apesar de existirem vários sistemas de peticionamento eletrônico, ainda são encontrados alguns obstáculos, como: lentidão e dificuldade de operá-los.

Um exemplo básico disso foi quando o Juiz de Direito, Leonardo Leite Mattos e Souza, da 1ª vara Cível de Rolim de Moura/RO, fez um desabafo sobre o sistema PJe: “O PJe não funciona a contento. Atrasa o serviço do gabinete e obriga o Juiz a ficar abrindo chamados técnicos para movimentar os autos. Se esse fosse o único caso, não diria nada. Mas isso ocorre quase todos os dias. É lamentável trabalhar com uma ferramenta que, muitas vezes, mais atrapalha do que ajuda.”, reclamou em matéria publicada no site Nação Jurídica.

As inexatidões ao tentar remeter um peticionamento eletrônico não são achadas apenas no sistema PJe, mas sim em vários. Esta é uma desvantagem enorme que interfere negativamente o trabalho dos advogados. Isso porque interdita o encaminhamento e principalmente a finalização do processo.

À vista disso, se vê a necessidade da criação de recursos capazes de garantir ao advogado a segurança, a integridade e a autenticidade dos registros efetuados no meio eletrônico.

Quer mais praticidade? Trabalhe com apenas uma única interface

O uso de sistemas para o peticionamento eletrônico tem criado vários desafios para os advogados e operadores do Direito. Para uns a dificuldade é operá-los. Visto que há no Brasil mais de um milhão de advogados, onde muitos atuam quando os processos eram físicos. Já para outros, o empecilho maior é simplesmente conseguir acesso para fazer a visualização de processos que desejam acompanhar.

A grande quantidade de sistemas dificulta os usuários na escolha, além de elevar os gastos do Poder Judiciário com o desenvolvimento e a manutenção.

A empresa 2ADV desenvolveu um software que registra, busca e acompanha os processos judiciais eletrônicos.  Tudo de forma única e exclusiva em apenas uma única interface. Dessa forma você não precisa trabalhar com mais de um tipo de sistema, pois a interface do programa da 2ADV tem a integração das atividades mais burocráticas. de um escritório. Incrível, não é?

Veja abaixo as principais funções do sistema da 2ADV:

Principais funções do software da 2ADV

E aí, quer se livrar da lentidão e outras dificuldades que os sistemas de peticionamento eletrônicos retratam? Tenha em mãos uma interface que garante conforto e praticidade. Além de, oferecer a gestão de controles e a realização de peticionamento eletrônico para agilizar o seu trabalho. Entre em contato clicando aqui e tire todas as suas dúvidas.